Skip to main content

Você já pensou em ser descendente de uma judia sefardita? Ou melhor, já pensou em ter uma ascendência que te liga a uma personagem marcante da história do Brasil Colonial?

Mesmo parecendo distante da realidade de muitos brasileiros, há grandes chances de você possuir um passado familiar ligado a luta contra a Inquisição. Com os três indicativos fundamentais, que irão ser mostrados ao longo desse texto, você pode começar a dizer que descende da Brites Mendes de Vasconcelos e ainda tirar a sua cidadania portuguesa. Sendo assim, não fique de fora disso! Venha saber mais da sua provável parente biológica.

Quem foi Brites Mendes de Vasconcelos? É uma pergunta que você deve estar fazendo. Primeiro de tudo, é importante dizer que esta personagem histórica possui um passado de luta e resistência contra a perseguição da fé judaica. Sim, ser judeu na Península Ibérica era sinônimo de exclusão e, muitas vezes, um desafio para muitos, afinal quem acreditava no Torá não exercia os fundamentos dogmáticos exigidos pela Igreja Católica. Sendo assim, se para um homem já era difícil ser judeu, para uma mulher era pior ainda, pois, segundo Diogo da Silva Roiz, o que estava em pauta acreditava que tanto a luxúria quanto o desvirtuamento de Adão teriam apenas um causador: a figura feminina. Não é à toa que surge a caça às bruxas justamente nesta época e todo o terror ocasionado pela Santa Inquisição contra as mulheres.

Infelizmente, Brites Mendes de Vasconcelos viveu na época da Inquisição em Portugal, sendo obrigada a ter que se converter, ainda criança, a uma fé contrária à sua própria religião e cultura. Esse traço, de fato, simbolizou um etnocídio proposital, afinal não se respeitava nem o fato dos judeus também serem um dos “povos do Livro”. A única saída era deixar as terras lusitanas e emergir numa nova vida; aliás, emergir no novo mundo do outro lado do Atlântico: o solo brasílico.

O mais interessante de tudo é que Brites vinha de um berço ligado a nobreza portuguesa. De fato, parece sem fundamento dizer isto, afinal aconteceram perseguições grotescas contra o povo judeu em Portugal, porém não deve ser negado o fato de que a mesma foi filha da dama de corte da Rainha Catharina, Joanna Goes de Vasconcellos, e do camareiro de Dom Luis, Bartholomeu Rodrigues de Sá; ambos atrelados a trabalhos de nome para época. Nota-se assim, que o desdobramento aconteceu muito mais em função do posicionamento tomado pela Espanha, que acabou ocasionando o alastramento da Inquisição a outras regiões, como é o caso do solo lusitano.Mas, o que isso tem a ver com os três indicativos? O primeiro deles é ligado a região de imigração da Brites Mendes de Vasconcelos, o estado de Pernambuco. Segundo o que consta na Nobiliarquia Pernambucana, Brites chegou ao Brasil na comitiva do donatário Duarte Coelho e se instalou nas terras pernambucanas, chegando a casar no local com o senhor de engenho de açúcar, Arnau de Holanda. Conhecia “A Velha”, por ter falecido com quase 100 anos em Olinda, a mesma deixou sete filhos para trás e foi sepultada na Igreja de Santo Antônio e São Gonçalo do Convento da Ordem de Nossa Senhora do Monte do Carmo. Sendo assim, se você nasceu nesta região, já tem o primeiro passo para desconfiar se é ou não descendente de Brites.

O segundo indicativo está relacionado ao sobrenome escrito na sua certidão de nascimento e carteira de identidade. Desconfie de um possível parentesco com Brites Mendes de Vasconcelos, se você for de famílias que possuem sobrenomes marcantes, como: Mendes, Vasconcelos, Holanda, Goes, Albuquerque, Cavalcanti e outras tantas variações. Dessa forma, somada ao requisito da região de Pernambuco, há grandes chances de haver uma herança sefardita nas suas raízes brasileiras. E quem disse que Brites não sofreria perseguição no Brasil? Para quem não sabe, houve visitações do Santo Ofício em solo brasileiro e, uma delas, foi justamente na capitania de Pernambuco. Mesmo fugindo de Lisboa, quando ainda era criança, a sefardita não teve a sorte de se livrar da perseguição, tendo que passar inclusive pelas mãos do inquisidor Heitor Furtado de Mendonça. Parece estranho pensar em algo assim, porém vale dizer que isto não tinha nada a ver com as posses da pessoa, afinal Brites possuía um passado singular e bem categórico. Sendo assim, a pauta da questão é justamente a perseguição derivada da origem genealógica; um tanto perseguida por diversos períodos da história.

Dessa forma, como Brites Mendes de Vasconcelos pode ser apontada como um legado para a história dos cristãos novos? Essa pergunta é um tanto simples e pode ser respondida a partir da continuidade dos costumes atrelados ao ser nordestino. A historiadora Anita Novinsky, por exemplo, considera que o Brasil está “fervendo de judaísmo debaixo da superfície”, realizando uma espécie de alusão as tradições enraizadas que habitam até hoje a diversidade do Nordeste. No caso da Brites, seu papel de destaque trouxe a manutenção das condutas na região, por ter se preocupado com a educação das figuras da sua época e, ocasionalmente, com o alastramento do seu saber aos moldes do estilo de vida brasileiro. De acordo com Neide Miele, este, de fato, é o maior legado que poderia ter deixado, pois, além de ter sido resistência, ela possibilitou que os hábitos de seu povo não fossem apagados; na verdade, como pode-se ver, eles foram passados às gerações futuras e consolidados como uma base primordial de tantos costumes e tradições.

Brites Mendes de Vasconcelos foi uma personagem que não pegou em armas tradicionais para ser a resistência de seu povo; na verdade, a maior arma que poderia ter usado, foi a mais sabia de todas: a educação. Ela nos ensina que para lutar e deixar um legado na história, não se faz necessário uma guerra violenta e sim, de uma estratégia que permita a continuidade de preceitos religiosos e culturais para as próximas gerações. De fato, mesmo sendo de uma esfera doméstica, a sefardita conseguiu consolidar traços na cultura brasileira que são até hoje reconhecidos. Sim, realmente aconteceram intensas perseguições que poderiam ter acabado com vestígios da cultura sefaradi no Brasil, porém exemplos como o de Brites devem ser reconhecidos; afinal o que se tem nesse caso é a propagação de conhecimento ao longo das descendências e um tipo de luta feminina.

Sendo assim, se você é nordestino e ainda é habituado com os costumes naturais da sua região, fique de olho pois você tem chances de ter ascendência sefardita. Mas calma, para realmente ser comprovado isso, faça uma pesquisa genealógica aprofundada para ganhar a sua linhagem sefaradi e, como bônus, a tão sonhada cidadania portuguesa. Então, se você chegou até aqui saiba que o último indicativo e, por sinal o mais importante, é justamente a pesquisa genealógica.

Quer ter a honra de descender da Brites Mendes de Vasconcelos? Não deixe de fazer a sua pesquisa genealogica!

Leave a Reply

Fale Conosco