Blog

Maria de Herede e a herança de desconfiança com os Cristãos-novos herdada pelo Brasil Colonial

nov 13, 2021

Maria de Freitas Azevedo, nascida como Maria de Herede em 1572 que foi filha do espanhol Cristóvão Queixada com a judia portuguesa Leonor Reimão e neta do governador da Paraíba Frutuoso Barbosa, tem já em suas origens fortes laços com o judaísmo que se fizeram presentes, seja na presença de sua mãe, na origem do seu pai que foi natural da cidade de Monforte de Lemos, que tem profundos laços com os hebreus ou até mesmo em sua cidade natal, já que Olinda, através da influencia inicial de Branca Dias, tinha o judaísmo como algo extremamente presente, mesmo que as escondidas e se limitando a dinâmicas domesticas.
As heranças que ligavam Maria de Herede ao judaísmo de formas múltiplas, a colocavam como um alvo natural de vigilância. Já que apesar da distância da metrópole ter possibilitado uma maior integração dos cristãos-novos com os cristãos-velhos da colônia, o risco de ser acusado era alto e as possibilidades de defesa eram mínimas como descreve Robert Rowland em seu texto “Cristãos-Novos, marranos e judeus no espelho da Inquisição”, quando descreve um paralelo ao caso das acusações de bruxaria onde as confissões se apresentavam seguindo um padrão e se baseando em acusações sem base.
Devido ao contexto em que se encontrava, Mari de Herede seguiu uma prática que também foi realizada por outras judias sefarditas, como Maria de Paiva ou a legendária Branca Dias Coronel, que era se casar com um cristão-velho. E assim, Maria de Herede se casou com Mateus de Freitas Azevedo em 1793, fidalgo da Casa Real, senhor do engenho Jaguaripe e Alcaide-mor, cargo que herdou de seu pai Sebastião de Lucena de Azevedo.
Tal casamento um cristão-velho como Mateus de Freitas Azevedo, possibilitava a Maria de Herede fugir do radar inquisitorial, já que apesar de nunca ter havido de fato um Tribunal do Santo Oficio no Brasil, o envio de agentes de Portugal gerava temor aos cristãos-novos que por muito tempo se beneficiaram da fragilidade eclesiatica na colônia e na distancia em relação a metrópole.

E a presença de Maria de Herede é citada em uma das acusações do Santo Oficio, quando seu marido Mateus de Freitas Azevedo denuncia dois homens, sua condição de cristã-nova é relatada, expondo como nem mesmo o casamento com cristãos-velhos era o suficiente para reduzir vigilância sobre sua condição de cristã-nova.
O casal teve 4 filhos, e antes do falecimento de Maria de Herede em 1620 aos 48 anos, já se tinha relatos de nascimento de descendentes da sefardita na região do Jaboatão dos Guararapes, antiga capitania de Pernambuco, que teve uma forte presença judaica e foi palco de batalhas de suma importância nas guerras luso-holandesas.
Ao tocar no assunto das guerras luso-holandesas na região dos Guararapes, é válido comentar que no contexto colonial de vigilância os cristãos-novos, a suspeita de conspiração entre judeus e os holandeses era grande, como relata Eduardo D’Oliveira França ao lembrar que ao sair de Portugal, muito dos judeus expulsos da região ibérica, encontraram na Holanda calvinista o local onde podiam ter liberdade religiosa, algo que também foi possível no norte do Brasil colonial, brevemente ocupado pelos holandeses.

Após a retomada territorial por parte dos portugueses, muitos judeus aqui residentes tiveram 3 meses para se retirarem, alguns optaram por retorna para a Holanda, enquanto alguns se converteram novamente ao catolicismo ou se refugiaram no interior. Por coincidência ou não, temos relatos de descendentes da Maria de Herede em cidades cearenses como Sobral, Bela Cruz, Guaraciaba do Norte, Ipu, Santa Quitéria, além de relatos em outros Estados da região nordeste como Rio Grande do norte e o já citado Estado de Pernambuco.

Devido a isto, não é incomum vermos diversas famílias Freitas, Azevedo, Bandeira, Oliveira, Montenegro, Aguiar, Souza, Catunda, Mourão, entre outras famílias espalhadas pela região nordeste do país que são de descendência de Maria de Herede, a sefardita que conviveu e se adaptou a desconfiança durante sua vida.

Quer se aprofundar mais em sua Ancestralidade, vamos encontrar a ligação entre você e seu decentende portugues ou sefa

Compartilhe